She-Ra e as Princesas do Poder: 5ª Temporada - CRÍTICA

Épica!


Em 2018, a Dreamworks começou a nova animação que trazia de volta a persoagem She-Ra, conhecida por ser a irmã de He-Man, criada em uma época, lá na década de oitenta, servindo apenas para comercialização de uma figura feminina que fizesse alusão ao protagonista de Os Mestres do Universo. Contudo, toda essa temática fica completamente no passado quando adentramos a mitologia, os elementos e a narrativa que encontramos em She-Ra e a Princesas do Poder disponível na Netflix
O protagonismo e a personalidade carregada pela protagonista transforma toda e qualquer comparação com a obra do passado completamente desnecessária, como se aquela versão de maiô e bota já nascesse obsoleta e sem qualquer razão de aparente existência!
Pois aqui, em uma aventura coesa, repleta de uma construção textual que gradativamente estabelece uma jornada heroica incrível, a Honra de Grayskull é muito mais importante que o Poder! E assim, chegamos em sua última temporada, tão épica quanto Adora!

O Mestre da Horda se aproxima de finalmente usar o Coração de Etéria a seu favor e esse poder seria o suficiente para refazer o universo à sua própria imagem. Contudo, Adora e as princesas não irão permitir, mesmo que isso as leve aos limites das escolhas e principalmente, confiando naqueles que não podiam até então. Uma batalha final irá acontecer e será She-Ra a grande salvadora de todos?

O poder de Noelle Stevenson

Noelle Stevenson é desenhista, autora e produtora, além disso, venceu o prêmio Eisner (O mais conhecido do mercado editorial dos quadrinhos) duas vezes e falar isso é o suficiente para dizer que esta produção realmente estava nas mãos da pessoas certa!
A forma como a criadora trabalha cada detalhe de sua trama demonstra um pensamento de crescimento constante para seus personagens, para a mitologia e todos os elementos que estão à sua volta. Através de aprimoramento técnico também gradativo, é nítido ver que a série foi ganhando maior qualidade ao longo das temporadas, seja no traço, nas cores, no uso do 2D e 3D. Fazendo com que conquistasse através de um visual que mesclava traços ocidentais e orientais sem receio de parecer caricato ou exagerado. Pelo contrário, o que encontramos é um personalidade expressa em cada linha de personagem, expressão, figurino desenhado ou ambientação. Principalmente por estarmos falando de um universo com inúmeros locais e pessoas.
Noelle entendeu essa mensagem ao trazer para sua versão de She-Ra esse senso de expansão, de deixar lado apegos do passado ou oitentista, encarando de frente diversos comentários infundados e sem qualquer base, apresentando uma obra que se sustenta sem a necessidade de referências a outros personagens! Há um poder na obra de Noelle que é do da singularidade de ser quem realmente é, tornando a heroína título o que é de fato, protagonista de uma narrativa única!


O Poder de She-Ra

Quando chegamos nesta quinta temporada entendemos essa construção textual de uma maneira ampla e ao mesmo tempo condensada em arcos que sustentam ainda mais a relevância de cada situação que se apresenta. O perigo eminente através da Horda entra em choque com o medo de realmente ir à fundo nos segredos e no poder que existe em Etéria ou em She-Ra. O que nos deixa logo de início sem a presença da guerreira.
Contudo, a narrativa se encarrega de dar a Adora todas as ferramentas necessárias para construção de seu caráter, camadas e alterações que serão importantes nas decisões que a personagem irá tomar, sendo lembrada constantemente por seus amigos que não precisa realizar todos os feitos sozinha. Justamente por ter sua vida passando por Felina mais uma vez, que se torna uma das figuras mais importantes dessa nova leva de episódios, comprovando como é possível criar um personagem e fazer a mesma sair de um ponto a outro, com uma profundidade ímpar.
Ao mesmo tempo, as batalhas se tornam mais intensas, com muita demonstração de magia e sacrifícios, dando espaço para que os demais também realizem feitos que servirão de apoio para um clímax que conecta cada nuance deixada pelo caminho. Sem contar um vilão que cada vez mais coloca suas intenções como oposto em tudo o que se acredita desde início, confrontando então sentimentos, emoções e as relações estabelecidas.
Ou seja, não é um texto simples e muito menos piegas.

E que os anos 80 fiquem lá

É interessante, ao mesmo tempo ridículo, que uma produção como esta tenha sido alvo daqueles clássicos comentários sobre "destruição de infância" ou ser apenas "lacrador", oriundos das mentes ociosas ou pouco desenvolvidas de "fãs" que não conseguem fazer uma breve associação ou interpretação textual para novas gerações. Apresentar She-Ra da forma como Noelle Stevenson fez é quebrar paradigmas, construir universos e fundamentar relações de uma maneira natural, contínua, dentro de um contexto onde a fantasia se torna alusão para aquilo que tanto desejamos em uma sociedade onde todos estão livres, não existem hordas opressoras ou regimes tentando controlar aqueles que são julgados como mais fracos. Ademais, quebrando estereótipos e padrões estéticos, o diálogo com o público e a empatia ocorrem de imediato, trazendo aquela boa sensação ao longo dos episódios e um saudosismo quando tudo termina.


She-Ra e as Princesas do Poder chega a sua última temporada de forma épica, contagiante e emocionante. 
Trazendo a batalha que irá definir os rumos para todos aqueles envolvidos na rebelião, a heroína que luta pela Honra, fundamenta sua presença na cultura pop, dando voz, força e ainda mais presença às personagens femininas que desenvolvem sua própria narrativa sem a necessidade de apoios ou referências externas!
Tendo Noelle Stevenson realizando um trabalho exímio em toda as partes técnicas, a animação consegue espaço entre aquelas que certamente deixarão saudade e poderiam sim, continuar entregando ainda mais aventuras cheias de pluralidade em todo o seu texto!
Ao final, a vontade que fica é de juntar as forças, pensar nos amigos e gritar: Pela honra de Grayskull! Só pra ver se a magia vai acontecer novamente!

She-Ra e as Princesas do Poder está disponível na Netflix!
Tecnologia do Blogger.