5 Centímetros por Segundo (Byõsoku 5 Senchimetoru) - CRÍTICA

O amor segundo o tempo e o espaço


O que se espera de uma história romântica, na maioria das vezes, é um final feliz, onde os envolvidos consigam ao menos dar continuidade às suas vidas da maneira como bem escolheram e assim poder aproveitar o amor que pode ter sido encontrado em alguém ou em alguma coisa! Contudo, existem produções que não se prendem a velha dinâmica do "casal apaixonado, para sempre apaixonado", justamente pra mostrar que as circunstâncias podem interferir muito no cotidiano e nas jornadas particulares. Desta forma, 5 Centímetros por Segundo (Byõsoku 5 Senchimetoru), entrega uma narrativa, delicada, direta e profunda sobre os sentimentos que nos cercam e a forma como isso altera quem somos ao longo da vida.
Preparou o lenço?

A História 

Takaki Tohno é apaixoando por Akari Shinohara desde quando ambos estudavam na mesma escola fundamental, por volta dos anos 90. Por conta de questões de família, a dupla acabam mudando de cidade e colégio, tornando a única opção viável para eles a comunicação através de cartas, telefonemas e encontros que demoram muito para acontecer. Com isso, o tempo vai passando e os sentimentos se tornam conflitantes, logo, à vida adulta se apresenta, e talvez a distância tenha modificado não apenas onde estejam fisicamente, mas a forma como observam a vida junto do outro!

O amor nos pequenos detalhes

Dirigido por Makoto Shinkai (Your Name), que é roteirista do mangá que serve de inspiração e conta com ilustrações de Yukiko Seike, a produção nos entrega muito mais do que um simples longa de animação com uma temática romântica. 
Toda construção narrativa depende muito dos detalhes técnicos empregados, justamente para dar o tom que a história precisa para atrair o espectador até ao final, revelando então que não se trata de mais um "conto de amor"!
A escolha de dividir o filme em três segmentos (As Flores da Cerejeira Escolhida, Cosmonauta e 5 Centímetros por Segundo) também desperta uma curiosidade ímpar na trama, onde conforme acompanhamos os personagens esperamos que sua resolução ocorra no próximo "capítulo". Por isso, o diretor faz questão de ir inserindo pequenas nuances para que ao chegarmos ao clímax consigamos perceber que todas as peças já estavam dispostas, só nos restava encaixar. 
E esse encaixe é perfeito através de um traço realizado com fluidez e movimentação plenos, onde conseguimos ver os detalhes das ambientações, cenários e pessoas. Atrelado a isso, a fotografia emprega um colorido diferenciado, que se modifica conforme os capítulos da produção são apresentados, indo dos tons mais frios até o colorido que toma conta do céu como numa grande aquarela reluzente!


E o amor?

A jornada de Akari e Takaki é justamente sobre amar. 
Mas não da maneira convencional, com situações mirabolantes, momentos cômicos, constrangedores e musicais ao extremo, é tudo conforme as estações da vida vão dando oportunidade para isso acontecer e o tempo, a distância, se tornam "inimigos" para que esse sentimento realmente venha se tornar tão sólido quanto imaginavam. E mesmo que isso não venha acontecer, os caminhos continuam a ser trilhados de alguma forma.
O texto deixa isso evidente quando os conflitos internos se tornam muito maiores do que enfrentar uma nevasca, as faltas de ligações ou pegar um trem de uma cidade a outra. Os questionamentos adentram a trama justamente para nos colocar dentro de uma narrativa mais real, pé no chão, onde nem sempre aquilo que se planeja, e com quem se planeja, irá acontecer de verdade.
E está tudo bem se for assim, a vida apresenta tais fatos para dar mais camadas as personalidades, logicamente, neste ponto o roteiro acerta mais uma vez, pois vemos uma mudança nos protagonistas, que vai desde o tom de voz que narra os acontecimentos, até mesmo no desenho quando chegamos a última parte da produção. Assim, nos apresentando rumos que tradicionalmente, nem o mais poderoso dos clichês do românticos, se atreveria!


Fim e começo

5 Centímetros por Segundo (Byõsoku 5 Senchimetoru) é um longa de animação que modifica completamente o que podemos esperar de histórias sobre o amor. Ele fala de amor, ele transmite isso, mas assim como as estações do ano, os ciclos da cerejeira e a distância, o sentimento se transforma conforme as pessoas também avançam em suas jornadas.
Com uma direção que executa todo trabalho técnico para criar um deslumbre também visual, a obra aprofunda questões pessoais justamente para cativar o público em três segmentos que se encaixam de maneira coesa e coerente, dentro da vida como ela é!
Se os caminhos de Akari e Takaki se cruzam, se separam, se envolvem, uma, duas, três vezes, são questões tão próximas do dia a dia quanto qualquer outra, pois apaixonar-se e ter o coração partido fazem parte de um processo natural, que pode ocorrer de muito longe, ou em cinco centímetros por segundo! 
Tecnologia do Blogger.