Atrás da Estante - REVIEW

A história da comunidade LGBTQ passa por esse lugar



Ninguém nunca nos deu nada sem que tivéssemos que lutar.

Existem muitas pessoas que ao longo da história lutaram contra a opressão de minorias. De Marsha P. Johnson à Rosa Parks, figuras que se fizeram presentes em locais diferentes para mostrar que seja quem for, merece respeito por ser quem é. Até mesmo um casal que possuía uma livraria e sex shop em Los Angeles.
Assim, neste documentário nós conhecemos Karen e Barry, esposa e marido, já idosos, que relatam como era o seu dia a dia num trabalho que movimentava não apenas as finanças de sua família, mas a vida sexual e a representatividade de muitas pessoas LGBT's no Estados Unidos.
Por isso, venha conhecer o Circus of Books.

Na década de 70, Karen e Barry Mason deram início a livraria Circus of Books em Los Angeles e logo, aquele local se tornou um ponto de encontro da comunidade gay. Além de empregar homossexuais e conviver com eles diariamente, o casal adentrou ao universo das produções pornô, movimentando ainda mais a mídia do gênero, além de se engajar nos direitos de tais pessoas. E com isso, sua filha Rachel Mason, permeia a história do começo e do fim de um lugar tão importante na luta por direitos e liberdade gay!

É interessante encontrar uma produção com um olhar tão próximo e íntimo como essa. Já que a diretora, Rachel Mason, é filha do casal protagonista. E por isso, ela poderia escolher diversos caminhos para contar essa história, até mesmo omitindo informações que pudessem causar algum tipo de visão nada agradável sobre sua família. Mas o caminho é o contrário!
Rachel não escolhe inovar ou criar uma forma diferenciada de contar essa história, ela parte por um caminho minimalista e "pé no chão", onde apresenta cada uma das personagens, suas narrativas e vivências de uma maneira dinâmica e direta para o público.


Isso faz com que venhamos a ser capturados pelo carisma do casal de idosos que se tornaram figuras tão famosas na comunidade gay.
Barry, conhecido como o "careca sorridente" e que foi especialista em efeitos especiais (trabalhando em 2001: Uma Odisseia no Espaço) e Karen, a manda-chuva durona do negócio da família e também jornalista, adentraram esse universo justamente em um momento difícil financeiramente e aos poucos foram ganhando cada vez mais espaço. Já que aos seus olhos vender revistas, fitas VHS, acessórios sexuais, para homens gays nada mais era que abrir as portas de um lugar onde ali essas pessoas poderiam ser quem realmente eram, logicamente lucrando com isso. Tanto que seus empregados, também pessoas LGBTQ, aproveitaram bastante os momentos no local, a Alaska que o diga!

E essa aproximação com a história nos ajuda a entender também o contexto que estamos inseridos, já que tudo se inicia em uma década turbulenta e que ganha novas nuances ainda mais moralistas quando adentramos os anos oitenta, graças a uma série de leis que repudiavam qualquer conduta, manifestação e até mesmo produtos e mídias que tivessem, de acordo com a heteronormatividade, sendo o oposto do que era considerado um "bom costume". Nisso temos a figura de Lerry Flint surgindo para falar do casal, além de termos conhecimento de um processo que poderia ter levado Barry à cadeia!
Ao mesmo tempo, começamos a ver também o sofrimento da comunidade gay por conta dos índices de casos de pessoas contaminadas com a AIDS. E é então que as figuras de Karen e Barry ganham ainda mais força, pois foram eles que visitaram, ajudaram e viram inúmeros clientes morrerem por conta da doença!


O Circus of Books era a tolerância manifestada em um local
Contudo, um dos pontos de virada de toda essa narrativa é quando um dos filhos do casal revela que é gay aos pais. 
Para Barry não houve mudança alguma, mas Karen não encarou da mesma forma. Assim, a mão da diretora deixa uma liberdade tão carinhosa ao relatar essa passagem pois ao ouvir o irmão e a mãe contando como tudo aquilo aconteceu, entendemos a importância do aprendizado sobre respeito e tolerância. Já que a dona da loja mais popular da comunidade gay não estava "aceitando" quem seu filho era. Esse confronto de pensamentos e ideias vai ganhando uma proporção emocionante, mostrando que todos têm algo a aprender ao longo da vida, até mesmo quando se achavam já desconstruídos para algo. E o acolhimento e aceitação ocorrem, numa transformação de atitudes e ações por parte da mãe rígida, que se torna, ao lado do marido, representantes de uma instituição para famílias de jovens LGBTQ+. Ou seja, nunca foi apenas um negócio, a vida deles estava completamente atrelada aquele estabelecimento.

E quando as portas da Circus of Book começam a ser fechadas, ficamos com aquela sensação de tristeza e ao mesmo tempo de agradecimento. Pois um lugar tão importante da comunidade gay, que recebeu tantas histórias, e até astros da indústria pornô, iria se tornar apenas mais um prédio vazio na Los Angeles atual. Em contrapartida, o legado deixado pelo casal é de tolerância e amor, vivenciados na pele, mostrando que ao longo dos trinta anos de funcionamento da livraria, muito se aprendeu, reaprendeu e transmitiu para aqueles que talvez não tinham aonde ir.
Karen e Barry são aquelas figuras que lutam as batalhas que ninguém quer, por aqueles que tanto precisam!

Atrás da Estante está disponível na Netflix!
Tecnologia do Blogger.