Ford vs Ferrari - CRÍTICA

O motor que impulsiona a vida



Transpôr a emoção das corridas automobilísticas para o cinema não é uma tarefa fácil. Principalmente por um se tratar de um esporte que não atinge a grande massa popular
Talvez possa parecer enfadonho e cansativo ficar horas sentado enquanto carros apenas circundam um território, contudo há aqui muito mais do que isso. Ao escolher se aprofundar nas relações que constroem esse cenário de grandes marcas e carros altamente construídos, o diretor James Mangold realiza um trabalho de trazer os elementos pessoais num nível maior do que simplesmente, deixar o ronco dos motores se sobressair.
Logo, a disputa mais importante acontece fora das pistas!

A Ford Motors quer arrancar da italiana Ferrari a hegemonia na corrida de Le Mans, para isso Carroll Shelby e o piloto Ken Miles são contratados para criar o carro perfeito para essa disputa. Entretanto, o processo de criação irá mostrar muito mais do que simplesmente as interferências esperadas na hora do trabalho, pois há muito mais à prova do que apenas ser o mais rápido!

James Mangold (Logan) comanda a produção contando a famosa disputa entre as grandes marcas de carro Ford e Ferrari, mas optando por aprofundar o elemento humano.
A sua escolha fica evidente quando para muitos será um sentimento de decepção ver que as corridas são apenas um adendo para tudo o que está acontecendo. Isso fica ainda mais claro quando durante uma das disputas, acompanhamos apenas o que outra pessoa ouve sobre a corrida, tornando então a relação entre os personagens aquilo de conduz por completo o ritmo de sua trama. Porém, quando é necessário trazer as corridas para as telas, Mangold usa de toda sua genialidade e personalidade para dar ao momento a emoção e o senso de perigo em níveis altos, principalmente por conta do incrível trabalho de mixagem e edição de som que entregam a sensação de estar realmente acompanhando aquilo de perto! Ao mesmo tempo, a edição também se torna um atrativo, com uma construção onde ao mesclar elementos automobilísticos com os relacionamentos pessoais, temos uma proximidade assertiva com quem assiste, principalmente aqueles que não são amantes do esporte. Tal fato se deve muito a presença quase impecável de Christian Bale, que novamente conduz uma produção através de seu talento, deixando Matt Damon apenas "orbitando" por tamanho talento, e esforço, demonstrado com a narrativa!

Caso isso não baste, somos mais agressivos!
O interessante nesta história é como ela se torna divertida, emocionante e cativante no decorrer de sua exibição. 
O que poderia ser mais uma narrativa amolante, acaba por trazer mensagens interessantes, mas não caindo no sentimento piegas que é o caso de inúmeras outras produções de drama. A relação entre os protagonistas e a construção do carro faz uma jogo metafórico com suas próprias vidas, enfatizando então erros e acertos que surgem ao longo da trajetória. Logicamente, isso recebe influências externas, para isso temos a presença de diversas figuras que acabam intercalando o antagonismo da obras. E isto é um grande problema.
Quando é preciso falar dos italianos da Ferrari, a figura caricata, exagerada e repleta de alarde toma conta em tela, até mesmo com gestos estereotipados que falham miseravelmente em dar credibilidade a tais figuras representadas. Da mesma forma, Henry Ford II e Leo Beebe se resumem aos mesmos olhares de vilania em pontos que não precisávamos disso. Soa como se a construção textual dos personagens principais fosse tão exaustiva na direção (sendo que o relacionamento de pai e filho beira o piegas) que os demais não tivessem o mesmo tratamento em sua construção.

Ford vs Ferrari é uma surpresa empolgante e agradável que sai do clichê de filmes que poderiam apenas basear os mais de 120 minutos de história em corrida atrás de corrida. 
Ao escolher trazer os aspectos pessoais para um holofote maior, James Mangold cria uma narrativa inspiradora sobre os percalços surgem quando precisamos ir além de nossas limitações.
Logo, por mais que haja tecnologia, grandes designers, construtores e equipamentos de ponta, nada substitui o elemento humano, pois é ele que faz com que tudo mais alcance o extremo da perfeição a sua volta. 
Dentro ou fora das pistas de corrida!

Nota: 4/5 (Ótimo)

Ford vs Ferrari concorre as seguintes categorias do Oscar 2020:

Melhor Filme
Melhor Edição de Som
Melhor Mixagem de Som
Melhor Montagem
Tecnologia do Blogger.