Bad Boys: Pra Sempre - CRÍTICA

"Bad boys, bad boys, whatcha gonna do, whatcha gonna do when they come for you ..."
(Você leu cantando)



O velho esquema dos filmes de ação onde temos uma dupla de policiais que sabem fazer de tudo e se metem nas "maiores confusões" foi um sucesso que se estendeu por muito tempo, chegando até meados dos anos 2000. Contudo, nem sempre algo que funciona para uma determinada geração de espectadores, vai agradar aquela que agora ocupa o espaço nas salas de cinema, seja por conta da narrativa ou até mesmo de quem protagoniza a obra. 
E talvez Bad Boys: Pra Sempre seja um dos poucos casos de um ponto fora da curva, pois apesar de seguir o a fórmula de sua franquia, existe um fôlego novo na série, logicamente pautado no carisma de Will Smith e no humor de Martin Lawrence, que agradará quem conhece os filmes anteriores e quem quer algo mais ao estilo ação absurda.
"Alô, é da franquia Velozes e Furiosos? Que tal um crossover, ein?!"

Mike e Marcus são dois experientes detetives de Miami que já realizaram inúmeras atividades juntos, porém quando um deles é gravemente ferido, uma nova ameaça surge, os deixando quase que sem ter como revidar. Isso faz com que a dupla passe a investigar um série de assassinatos, ao lado de uma nova equipe de agentes, que está indicando que existe relação com o passado de um deles.

Bilall Fallah e Adil El Arbi comandam o terceiro filme da franquia trazendo novas características, mas sem perder a essência de investigação e humor que existe das produções anteriores. E aqui, os diretores exploram bem a ação e a forma como ela deve ser apresentada aos espectadores. 
Usando de planos longos, abertos, câmeras que sobrevoam os lugares e conseguem dar uma visão do todo, cada sequência onde tiroteios e confrontos acontecem são expostas de maneira clara na tela, com uma boa dose de violência gráfica! 
Para isso, a inventividade de como colocar os protagonistas em ação também tem seu momento, seja os colocando em uma moto com passageiro ou os tornando alvo de diversos atiradores em um prédio prestes a desabar. Cada cena carrega então a comédia presente, graças a dinâmica dos personagens principais. Marcus não consegue segurar a arma direito, Mike briga com o mesmo para colocar os óculos e isso vira um momento onde diversos bandidos são abatidos graças a melhora de visão do companheiro ou quando ambos discutem sobre a relação de um deles com quem está tentando matá-los, deixando que está em volta horrorizados (e o espectador nas gargalhadas). Os diretores usam dessa parceria ao seu favor, tornando o filme despretensioso, mas ao mesmo tempo divertido de se assistir. 

Andamos juntos!
Morremos juntos!
Bad Boys pra sempre!
A narrativa é simples porém eficaz dentro do rumo que quer dar aos personagens!
A dinâmica entre o velho e o novo é explorada de diferentes formas, seja através da visão de mundo dos protagonistas e como os mesmos reagem as formas recentes de trabalho e comportamento. O texto então procura colocar esses dois policiais que trabalham à moda antiga dentro da modernidade das investigações sem deixar feridos, tecnologia de ponta e armas não letais. Fazendo com que haja também uma questão relacionada a fé, que se torna uma piada, obviamente quando discutida pela dupla principal. 
Contudo, ao mesmo tempo que todos esses elementos acrescentam a franquia e faz com possivelmente ganhe continuidade em Hollywood, a forma como o roteiro tenta acrescentar isso diversas vezes é através de uma equipe de agentes mais novos. Por mais que haja ali figuras conhecidas, até com histórias interessantes, nada vai além do superficial, o que não justifica sua presença dentro do filme. 
Coadjuvantes à parte, é de Will Smith e Martin Lawrence que precisamos falar pois a dinâmica entre os dois nunca esteve tão boa, rendendo momentos de humor e ação que se completam, conduzindo a trama e fazendo com fiquemos envolvidos com a história, por mais que ela se torne previsível a partir do segundo ato. É a dupla de atores que fundamenta o sucesso da franquia, justificando então o seu retorno e talvez, garantindo uma quarta parte para os detetives de Miami!

Bad Boys: Pra Sempre é divertido, engraçado, violento em alguns pontos, mas sabendo como explorar o carisma e o humor dos protagonistas, os deixando ser os condutores de uma trama comum dos filmes do gênero, mas aqui assertiva. 
Com uma dupla de diretores que sabem como comandar a ação e fazer com seus atores ganhem espaço, a franquia ganha nova vida e uma possibilidade de continuar fazendo história nos próximos anos.
Se para os mais velhos do cinema de ação, o clássico envolvendo dois "tiras" e um caso a ser resolvido se perdeu ao longo do tempo, eis aqui uma chance de recuperar o ânimo e a esperança de bons filmes com essa narrativa. 
Pois mesmo que você não goste, certamente vai cantar a música!
A gente sabe que você conhece!

Nota: 3,5/5 (Muito Bom)

P.S: Bad Boys: Pra Sempre tem duas cenas rápidas antes dos créditos finais! Vale a pena!
Tecnologia do Blogger.