Queer Eye: Luz, Câmera, Japão - Review

Kon'nichiwa cinco fabulosos!



Se você acha que a Pabllo Vittar já foi longe demais, é porque ainda não assistiu a temporada especial de Queer Eye, no Japão!
No Japão? Sim, no Japão!
Tan, Karamo, Bobby, Jonathan e Antoni embarcam para o oriente, mais precisamente na capital Tókio para ajudar quatro pessoas com histórias totalmente diferentes, mas que buscam o mesmo propósito: O seu lugar em meio a própria cultura. Permeando novamente comportamento, moda, estilo, arquitetura e alimentação, os cinco fabulosos irão realizar a transformação que irá causar aquela empatia incrível, além de nos levar às lágrimas a cada episódio.

Tan, Karamo, Bob, Jonathan e Antoni chegam ao Japão em busca de boas história na figura de pessoas que precisam de uma transformação em suas vidas. Passando pelas questões culturais e de idioma, o cinco fabulosos irão apresentar novas formas de ver a tudo ao redor! Tudo isso com a ajuda de Kiko Mizuhara, sua guia em terras nipônicas.

O modelo de programa de Queer Eye, conhecido dos anos 2000, ganhou ainda mais força nas últimas temporadas da série, que popularizou e tratou de arrebatar uma legião de fãs que se emocionam com as histórias, em paralelo, com a vida dos cinco membros do grupo.
Desta vez, não seria diferente! A produção trata de deixar claro aspectos básicos que contrastam as culturas, as formas de pensamento e tradições. Explorando muito bem cada canto de Tóquio, justamente para poder dar ainda mais base as narrativas de vida apresentadas. Quando eles vão a um bar está dentro do contexto, quando chegam a uma casa de chá, há uma necessidade de estar ali e quando estão treinando judô, tudo serve como uma lição coletiva.
Novamente, a interação entre apresentadores e participantes se torna o principal atrativo e impulsionador da emoção. Pois a medida que a transformação começa, cada um se torna mais do responsável por realizar algo novo, é peça fundamental da nova vida que aquela pessoa irá tomar depois que as câmeras desligarem.


Assim, com quatro episódios este especial no Japão é um dose da melhor forma como se demonstrar empatia pelas pessoas.
Cada participante se encontra em algum aspecto da cultura japonesa, seja na forma como lidam com as pessoas, sua carreira ou com seus sentimentos. Começamo a temporada com uma senhora que se dedica em cuidar de outros, deixando o zelo por si própria de lado. Logo, um jovem rapaz gay, apaixonado pelo namorado, precisa enfrentar os costumes que tanto o impedem de ser quem é. Assim, conhecemos uma jovem autora de mangás que se sente distante da família e confusa em sua carreira. Por último, um homem casado que acabou deixando a atração do relacionamento se perder conforme os anos foram passando.
Logicamente iremos encontrar lições preciosas aqui, acerca de comportamento, atitudes, postura, organização, mas do contrário que muitos possam pensar, os cinco fabulosos não estão aqui para distanciar as pessoas de sua cultura oriental e jogá-las no universo do ocidente. A missão principal de cada um é trazer os participantes para perto do que está ao seu redor e o quanto eles são capazes de descobrir coisas novas, começando então a quebrar certos paradigmas sem qualquer necessidade de se transformarem em algo que não são. Por isso, casa são reformadas para melhor interação e trabalho, as roupas se ajustam ao dia a dia, locais da cidade são apresentados, para que aquilo que parece tão distante, deixe de ser, pois se encontra próximo e pronto para receber tais pessoas.
Desta forma, alguns esteriótipos da cultura japonesa começam a ser desfeitos, de igual modo, a rigidez de certas normas e posicionamentos perante a sociedade entram em discussão, regado com o bom humor do elenco, porém tratado de forma assertiva gerando então a verdadeira transformação proposta pelo programa nas quatro histórias da vez!

Queer Eye: Luz. Câmera, Japão é um especial que novamente agrega ainda mais valores e propósito ao programa de transformações, desta vez, saindo de sua zona de conforto e indo até uma cultura completamente diferente. Ao mesmo tempo, ao ajudarem os participantes, Os Cinco Fabulosos se encarregam de adentrar com eles nos costumes e as tradições japonesas, fazendo com que cada um consiga se encontrar ainda mais em seu próprio local de nascimento.
Se a cada novo episódio vamos do riso às lágrimas é porque de um jeito simples e direto, carregado de muito carinho e empatia, Tan, Karamo, Bobby, Jonathan e Antoni se tornaram um canal do bem dentro da cultura pop, demonstrando então que as mudanças na vida podem estar mais próximas do que se possa imaginar! 
E quem sabe, futuramente, um Queer Eye: Luz, Câmera, Brasil! Ah, dona Netflix, só vem!

Tecnologia do Blogger.