Final Space: 2ª Temporada - Review

Temos Footlose e Star Wars logo no início desta temporada


As sátiras na Cultura Pop sempre percorreram a trilha das referências diretas e indiretas ao apresentar suas produções.
Final Space, teve em sua primeira temporada a brilhante ideia de subverter o gênero da Space Opera, tão famoso por Star Wars, modificando diversos conceitos que conhecemos além de extrapolar no caricato com personagens e trama, chega com sua segunda temporada, que começa logo após os eventos trágicos do primeiro ano. Novamente a sátira se faz presente, contudo, o maior problema está em fazer o que já foi feito, com uma previsibilidade que nunca foi uma marca da série, demonstrando dessa forma que a narrativa possa estar perdendo força.

Gary é resgatado por uma nave de carga após o último embate de sua “tripulação”, contudo um velho conhecido surge para ajudar o astronauta em sua missão. Mais uma vez na companhia de HUE, KVN, Gatito, ele deverá percorrer territórios desconhecidos se quer realmente resgatar sua amada Quinn e salvar o universo.

A produção do TBS estreou seu segundo na televisão em julho deste ano, ainda sem previsão de chegar pelo serviço de streaming, já que a primeira temporada foi distribuída pela Netflix. Empregando qualidade ao traço e ao desenho já estabelecidos anteriormente, mesclando entre cenas com 3D e 2D, a série começa apresentando novos personagens, que servirão de fio condutor para diversos acontecimentos no decorrer dos episódios. O que aí já rende comparativos com outras figuras da cultura pop, pois Ash certamente tem inspiração em Ravena dos Jovens Titãs.
Ao mesmo tempo, essas referências são apresentadas logo no primeiro episódio onde temos uma corrida que mais lembra a Pod Race de Star Wars – Episódio I: A Ameaça Fantasma, ou o planeta gelado que lembra Star Wars – Episódio V – O Império Contra-Ataca no quinto episódio. Ainda temos uma sequência sensacional com a canção tema de Footlose, o que rende uma nostalgia bem empregada.
Nisso, o roteiro continua trazendo piadas sarcásticas, incômodas e situações incomuns, como ao contar sobre seu passado, uma personagem acaba sendo julgada por ter cometido uma violência contra familiares, sendo o que o foco não era esse e um planeta onde todos são felizes, o que é representado por uma figura alegremente assustadora. Assim, as inserções ajudam a continuar a trama que ganha ainda mais sequências de ação, tiroteio, perseguições espaciais e até mesmo versões do futuro das figuras que já conhecemos, o que rende um ótimo momento de Gatito na série.


Mas o problema dos cinco primeiros episódios deste novo ano de Final Space está justamente em reprisar acontecimentos de sua própria história, ou de outras narrativas.
Longe de ser uma paródia com características próprias, a série começa a se tornar uma cópia descarada e até mesmo mal executada em diversos momentos que encontramos em outras produções. Como a relação de Gary com um familiar que surge de maneira até inesperada, apesar de apresentar total previsibilidade ao final desse pequeno arco.
Dessa forma a história do astronauta desastrado que acabou com a Terra e sua frota, começa a perder sua personalidade, a medida que apenas entrega cópias de outras aventuras espaciais. Referências são importantes dentro das sátiras, entretanto o easter egg por si não funciona dentro do que havia começado a ser contado na ótima primeira temporada.

Final Space retorna justamente de onde sua história nos deixou, aumentando ainda mais o sentimento de querer saber o que poderia acontecer após todo o desastre causado. Porém, ao se apegar de forma excessiva as referências, sempre utilizando da memória dos expectadores para com outras obras do gênero espacial, o roteiro perde força nesses primeiros episódios, caindo numa previsibilidade e didatismo que não se faziam presentes no ano anterior.
Logicamente, isso não remove o senso de aventura, a ação e as boas piadas que acontecem a cada nova situação pelo espaço, contudo ainda falta personalidade, criatividade para iniciar essa nova leva de capítulos, algo que sobrava na primeira temporada e até o momento, fez com que a série se apresentasse como perdida dentro do seu próprio universo!
Pode ser que os erros de Gary tenham se espalhado em diversos cantos dos cosmos e chegado a sala dos roteiristas!

A segunda temporada de Final Space está sendo transmitida pelo canal TBS em episódios semanais!
Tecnologia do Blogger.