Dumbo para Geração 2000

O cinema é isso: nossas experiências em qualquer época ao ver um filme


A história do elefante mais famoso do mundo tem um lugar especial no coração de muitas eternas crianças, mas para aquelas que realmente são crianças atualmente essa narrativa é apenas parte da imaginação formada por informações desconexas dadas por “adultos”.
Mas vamos analisar alguns pontos desta obra tão famosa!

Primeiro ponto: eu, no auge dos meus 18 anos nunca havia assistido a animação. Antes das críticas, deem um desconto. Considerando que eu só nasci 60 anos depois do lançamento do filme, meu pecado está mais que perdoado.
Desde o primeiro tempo o filme me impressionou. O longa dialoga tanto com as crianças quanto com os adultos, quando aborda temas como “de onde vem os bebês” e infertilidade com tanta sutileza já nos primeiros minutos, além de outras questões abordadas ao longo da animação como aceitação do que é diferente. Acredito desde sempre que um dos deveres das animações é passar ao público infantil uma lição importante de forma sutil e divertida.

O segundo ponto analisado é a qualidade técnica do filme. 
Em 1941 os recursos eram bem limitados e, mesmo assim, Walt Disney conseguiu fazer um trabalho espetacular! Toda a construção da cena de Dumbo brincando nas pernas da mãe (que se assemelha muito com uma criança de verdade brincando), a cena da embriaguez, que dura até tempo demais, em um trabalho alucinógeno muito a frente do seu tempo e, como diz minha mãe, um fascínio para qualquer criança vendo isso na grande tela.
Outro ponto incrível do filme é a trilha sonora. Composta especificamente pra cada cena, o trabalho feito por uma orquestra se encaixa em cada movimento e traz mais dinâmica e emoção ao filme que quase não possui falas.


Mas nem só de elogios vive Dumbo, e prepara porquê é preciso falar de alguns tropeços!
Em questão de roteiro o filme é decepcionante. Quando se ouve falar de Dumbo, lembra-se da história do elefante que com suas orelhas enormes podia voar, e a própria sinopse vende isso, porém o pequeno paquiderme só voa de fato nos 5 minutos finais de filme, enquanto nas, minhas expectativas, a história seria baseada neste acontecimento.
Além disso, a sensação do filme era de um vazio. Muito tempo desperdiçado em que poderia ser aplicado ao enredo de verdade, porque uma criança atualmente não teria paciência pra um filme tão estático.

Considerações feitas, análise relatada, experiência satisfatória para quem é da geração 2000!
No dia 28/03, estreia o live action de Dumbo nos cinemas e esperamos que a nova produção possa trazer às novas gerações toda a emoção vivida por nossos pais e os demais adultos, que certamente estão no cinema para vivenciar a nostalgia do seu amado filme de infância!
Tecnologia do Blogger.