Ads Top

Review: Doctor Who - 11ª Temporada

Jodie Whittaker é a Doctor que precisávamos


Doctor Who é umas das séries mais cultuadas dentro da cultura pop!
A forma como a história do viajante no tempo e espaço ocorrem faz parte do imaginário de muitos ao longo de dez temporadas. Entretanto, nesse período a dinâmica, praticamente, foi a mesma, um Doutor, uma Companion, muitas aventuras e desventuras por diversos lugares do universo. 
Desta vez as coisas mudaram, já que a regeneração do último doutor nos trouxe uma doutora, e o que tudo indica, promete ser uma história mais divertida, leve e repleta de personalidade. Seja bem vinda Doutora.

O primeiro episódio da décima primeira temporada nos mostra primeiramente a vida dos novos companheiros de viagem da Doutora, Ryan Sinclair, um jovem que sofre por ter uma deficiência motora, Graham O'Brien, um senhor aposentado que já foi motorista de ônibus e Yasmin Khan, uma policial novata da polícia que se vê subaproveitada pela corporação. 
Tudo parece bem até Ryan encontrar algo de estranho em um local onde sua bicicleta cai, a partir dali ocorre um incidente no trem que transportava seus avós colocando suas vidas em contato com a chegada, literalmente do céu, da Doutora na Terra. Que de cara enfrentará um inimigo que está usando o planeta como local de caça.

Dirigido por Jamie Childs, o início do novo ano da série mostra um novo nível de produção, direção e cuidado ao contar a nova história. 
Aproveitando dos planos abertos, em compasso a uma fotografia que consegue dar senso de perigo a determinados locais e deslumbre quando observamos paisagens, esse retorno se faz um espetáculo visual estonteante. Ao mesmo tempo a direção utiliza bem os elementos em cena, criando boas sequências onde a ação precisa acontecer. Desta forma o roteiro também ganha um destaque ímpar, principalmente ao estabelecer uma dinâmica convincente entre a nova Doutora e seus futuros companheiros.


A narrativa então nos apresenta tanto protagonista quanto seus Companions (Serão três nessa nova temporada), cada um com seus dilemas, problemas e limitações. Um senso de humanidade que também se estende a Doutora. Que aparenta manter um senso austero da sua antiga forma misturado com a curiosidade do Doutor de David Tennant. Ela mescla um senso de humor rápido, ácido, despreocupado, ao mesmo tempo que sente, sofre e se importa com os acontecimentos, e as pessoas que estão a sua volta. Isso fica claro quando suas motivações são colocadas para o espectador, trazendo uma versão que quer se aproximar das raças que existem, trazendo um senso de altruísmo e zelo pela vida. Fazendo de Jodie Whittaker uma Doutora repleta de novas camadas em sua personalidade, abraçada a uma atuação divertida e carismática.

A nova temporada de Doctor promete renovar a série de forma exponencial.
Trazendo novos elementos e companheiros, não é apenas a questão de termos uma protagonista mulher. Mas de termos uma protagonista que consegue estabelecer motivações e sentimentos que são necessários para os dias atuais. Tudo isso sem perder a essência da série, que faz de Doctor Who algo tão icônico. Ao mesmo, que é perceptível o avanço técnico na produção, que utiliza bem direção em fotografia para também entregar um espetáculo visual ao espectador.
Se os fãs sempre que perguntados por onde se deveria começar a assistir a série citavam episódios como Blink, hoje é possível então fazer algo diferente, pois são as diferenças agora que elevam o padrão de uma história que há tanto tempo ocupa um espaço afável no coração. Tendo esse primeiro episódio da décima primeira temporada, como uma indicação a mais em sua lista.
E assim Jodie Whittaker é a Doctor que precisávamos!
Tecnologia do Blogger.