Ads Top

Review: Manto e Adaga

Uma grata surpresa, repleta de dicotomias, questionamentos e boas atuações! 


Das séries que a Marvel já trouxe ao seu público, poucas trabalharam questões pessoais e de identidade com uma profundidade relevante, tirando aquelas que tem a parceria com a Netflix. Pois Agents of Shield consegue se perder em seu próprio enredo e Os Fugitivos tentou "fugir", mas foi pega no "dramalhão" adolescente tão conhecido das séries norte-americanas.
Agora, Manto e Adaga trazem algo mais do que simplesmente apresentar personagens desconhecidos do grande público da Casa das Ideias, faz um papel interessante de criar a dualidade de poderes, personalidades e conflitos!

Tyrone Johnson quando criança assistiu seu irmão mais velho ser assassinado por um policial. Neste mesmo dia, Tandy Bowen sofreu um acidente de carro com seu pai, porém os dois de alguma forma se encontraram. Os anos passam, Tyrone é um jovem que vive sob o controle dos pais e Tandy é uma moça que realiza roubos para viver. Entretanto, os dois se reencontram inesperadamente, além de relembrar os acontecimentos do passado, seus poderes então despertam.

Os dois primeiros episódios fazem bem o papel de apresentar os protagonistas, seus problemas e o contexto em que suas jornadas estão inseridas. A princípio não há utilização constante dos poderes, que vão surgindo conforme situações que os colocam à prova também ocorrem. Um artifício narrativo já conhecido, mas repetido de outras obras do gênero que demoram para aceitar que estão contando uma história oriunda dos quadrinhos. Ao mesmo tempo, o caminho para que então Manto e Adaga façam uso dos dons que possuem é bem estruturado, e até mesmo modificado do que é sabido da mídia original.

Gina Prince-Bythewood e Alex Garcia Lopez, que dirigem respectivamente, primeiro e segundo episódio, dosam bem entre os conflitos internos e as descobertas dos jovens heróis, assim como inserem novos e importantes personagens para a continuidade da trama.
Trama essa que pode preocupar a cerca da lentidão rítmica!
Certos momentos poderiam ser encurtados nos dando mais tempo de Tandy e Tyrone em cena, principalmente em situações que explorem mais de sua conexão e habilidades. Além disso, o roteiro conta com algumas facilitações e irritantes coincidências, que de início perturbam, mas que nos fazem desconsiderar seus momentos devido a novos elementos narrativos.

Manto e Adaga é uma promissora série de origem que pode vir a se tornar uma heroica aventura com elementos místicos capazes de expandir sua trama. 
Sem pautar sua história apenas no drama e com atuações que elevam as camadas dos personagens, a dupla de heróis vai ganhando forma de uma maneira inesperada e cativante. O importante é manter os conflitos externos e internos no nível adequado, estabelecer o arco principal e gerar cada vez mais oportunidades para que a série admita que é parte da Casa das Ideias e como tal, não possuir medo de colocar protagonistas para demonstrarem os seus poderes.

Os episódios de Manto e Adaga são transmitidos pelo canal Freeform.
Tecnologia do Blogger.