Ads Top

Champions - CRÍTICA


Champions é uma série de comédia da ABC dos criadores Charlie Grandy e Mindy Kaling (Esta inclusive é uma das personagens recorrentes), que recentemente foi disponibilizada pela Netflix, conta com uma temporada de 10 episódios protagonizados por Anders Holm, Andy Favreau e J.J. Totah, que interpretam, Vince (Anders Holm) um cara de meia idade sem perspectiva de vida e sucesso que é dono de uma academia quase falida e vive com seu irmão Matthew (Andy Favreau), até descobrir que tem um filho de 15 anos, Michael (J.J. Totah), fruto de um relacionamento esquecido que teve no ensino médio.

A princípio pode parecer mais uma série de comédia para colocar na lista de assistir quanto não tiver mais nada importante para fazer e mesmo de não fugir completamente disso, Champions, apresenta um contexto muito bacana e que instiga a assistir um episódio atrás do outro e um viés pouco abordado em narrativas desse estilo.

Michael é um garoto de 15 anos que beira o extremo da feminilidade masculina e carrega estampado em seus trejeitos o estereótipo da “viadagem”, mas o impressionante mesmo é como ele está confortável com tudo isso, mesmo sendo tão jovem ele é muito seguro de quem é e deixa bem claro desde o início pra todos que o cercam que não pretende mudar pra se encaixar em nenhum lugar. J.J. Totah interpreta o garoto aparentemente em um papel que ele nasceu para fazer e talvez por isso seja tão caricato em sua atuação, é como se ao vê-lo em cena pudesse pressentir que ele jamais iria conseguir se desvincular desse tipo de personagem.


Se eu pudesse destacar algo dessa série seria a forma como ela ataca sutilmente (as vezes nem tanto) o privilégio social de alguns indivíduos. A todo momento temos uma ou outra alfinetada no modo de pensar de pessoas privilegiadas. 

Temos como protagonista um homem branco e hétero que se sente super desconstruído por aceitar tranquilamente o fato de seu filho até então desconhecido ser gay e extremamente afeminado, como diriam pela internet um perfeito exemplo de esquerdomacho. Vince não é de todo o mal, apesar de tudo ele ainda é uma boa pessoa que, no entanto, cresceu cercado de privilégios e por isso é difícil enxergar quando apontam. Ainda assim a série consegue abordar isso de uma forma muito original e engraçada que é a sua proposta de fato.

Champions é uma série divertida, carismática e muito inteligente dentro do que se propõe, mas não é para todo mundo. Se você achou a série um pouco exagerada, nem não entendeu a maior parte das piadas: tenho uma péssima notícia pra você!
Tecnologia do Blogger.