Ads Top

Cinema, explicações e a preguiça

A sétima arte não precisa ser explicada

Mãe!, Réquiem para um Sonho, A Origem, Aniquilação, Cisne Negro, são exemplos de produções consideradas difíceis de interpretação. Talvez, os roteiristas, diretores realmente não queriam trazer as respostas suficientes para as histórias contadas ou simplesmente o comodismo do público impede a compreensão do que foi visto. O filme então é complexo ou os espectadores são preguiçosos? 
Assim, se por acaso esse parágrafo ficou confuso, pare, leia novamente até você conseguir entender!

O cinema é uma arte onde se pode expressar diversos aspectos da natureza humana. Desde os momentos mais belos, até as atrocidades, a sétima arte consegue projetar através de som e imagens, lugares, dúvidas, traumas, questionamentos que são incógnitas da nossa estrutura.
2001: Uma Odisseia no espaço, Contato, Alien, Vida, A Chegada, são filmes que expressam parte de uma ideia comum nos gêneros de ficção científica: Quem somos no universo? Estamos Sozinhos?
E normalmente tais perguntas estão carregadas de uma narrativa repleta de conceitos e termos técnicos, o que afasta alguns espectadores.

Preste atenção nesta imagem:


Logicamente o tom irônico pela falta de interpretação dos leitores fica bem claro, contudo esse exemplo pode ser aplicado ao cinema sem nenhum problema!

Então precisamos falar sobre interpretação de texto! 
Sim, o cinema é um texto! E como tal pode ser interpretado. O que temos hoje em dia é uma leva de espectadores preguiçosos, pois em sua maioria, os filmes para o grande público, a necessidade de explicação já está empregada em sua narrativa. E isso facilita o andamento de toda trama.
E quando nada é evidente?
Assim como já foi dito, o cinema é uma arte, sendo desta forma, é subjetiva e aberta para inúmeras interpretações, porém o mais importante é que não há limites para que o espectador assimile e chegue as conclusões particulares.

Logo o cinema não precisa explicar nada a ninguém!
Talvez a afirmação a cima soe como pedante, mas é inegável que não é necessário se ater a todas as soluções narrativas. Da mesma forma como explicar uma produção a partir de um senso particular compromete a experiência individual, diminuindo assim todo valor da película.
O professor Clóvis de Barros falou certa vez que um texto para ser entendido por completo deveria ser lido, relido, até todas as ideias entrarem na sua mente. Como o cinema não é barato em nosso país (Isso é uma pauta que em breve iremos abordar), não podemos assistir as produções várias vezes, mas é possível adestrar nossos pensamentos e atenção para o que está em tela, além disso, a internet nos proporciona pesquisas para aqueles conceitos um tanto complexos serem desvendados.

Por fim, por mais que tal diretor não explique sua obra, ou que o roteirista complique nos diálogos, ou as referências não sejam familiares, não tema o cinema, encare de frente como Gandalf enfrentou Balrog. Não deixe a falta de entendimento passar.
Pois sua interpretação é sua, e não está errada, ou assertiva, porém ainda assim, é a sua conclusão sobre uma experiência imagética e sensorial, que além de divertir pode te fazer pensar!
Desta forma, não deixem que expliquem ou opinem por você, o cinema é arte, e como tal, está ao nosso alcance, da apreciação a interpretação!
...Compreender um texto envolve mais do que simples conhecimento da língua, é a reprodução de informações.
Luiz Antônio Marcuschi, professor e linguista.
Tecnologia do Blogger.